O Futuro do Bacalhau volta a ser tema de discussão em Portugal

O Futuro do Bacalhau volta a ser tema de discussão em Portugal

Depois do sucesso da primeira edição, realizada em 2013, Portugal voltou a receber no passado dia 21 de Janeiro, no Hotel Palácio Estoril, o seminário “ O Futuro do Bacalhau”, organizado pela NSC – Conselho Norueguês da Pesca.

Um encontro que reuniu importadores, produtores e exportadores de bacalhau, além de representantes da distribuição (retalho/horeca) e de outras empresas norueguesas ligadas à pesca e ao processamento de bacalhau.

Ao longo do evento foram analisados dados concretos e insights relevantes sobre o sector do bacalhau: a situação actual dos recursos, actuais quotas, estatísticas de exportação, consumo de bacalhau em Portugal durante o ano de 2013 e previsões de consumo e evolução do mercado para 2014 e 2015.

Depois de analisados os dados, podemos dizer que o consumo de bacalhau vai manter-se estável durante 2014, prevendo-se que seja idêntico ao de 2013, podendo no entanto existir uma tendência ascendente nos preços padrão.

Assim em 2013, o bacalhau total vendido através de retalho em Portugal situou-se em 58 000 toneladas, resultando num aumento total de 11,4%. Crescimento devido ao aumento na procura para o bacalhau tradicional seco salgado (+14,7 %), enquanto decresceu a procura no demolhado /ultracongelado (-9 %), dados da Kantar Worldpanel.

“Esses números mostram que o verdadeiro bacalhau é efectivamente um valor seguro para os consumidores portugueses, sobretudo em período de crise”, afirmou Christian Bue Nordahl, delegado do Conselho Norueguês da Pesca em Portugal.

“O consumo de bacalhau em Portugal é espantoso”, tal como salientou Nuno Vieira e Brito, Secretário de Estado Português da Alimentação, na sua intervenção, tudo graças à consistente cooperação entre Portugal e Noruega.

Da análise dos dados disponíveis, também se conclui que apesar de as quotas de pesca se apresentarem altas em 2013, estas irão “normalizar” nos próximos anos, tal como é previsão e recomendação científica para continuar a existir um stock sustentável de bacalhau.

O foco na qualidade foi ainda defendido pelos que marcaram presença no seminário, garantindo assim que o consumidor continue a ter acesso a um produto de confiança.

Christian Bue Nordahl desafiou os produtores portugueses de bacalhau demolhado/ultracongelado a apostarem na utilização de bacalhau curado de forma tradicional no desenvolvimento do seu produto, garantindo que também esta variedade seja obtida a partir de bacalhau verdadeiramente único, da Noruega.